QUATRO SINAIS DE IDENTIFICAÇÃO EM JOVENS QUE INICIAM O USO DE DROGAS

by Jaqueline Costa

A adolescência dos nossos filhos chega e novas preocupações surgem para todos os pais como o perigoso envolvimento com drogas – em alguns casos irreversíveis para toda a vida com riscos em todas as esferas. Muitos adolescentes experimentam drogas em grupo e por isso é sempre fundamental que os pais conheçam os amigos dos seus filhos e até os pais desses amigos. Vários quadros dramáticos de dependência química iniciam-se a partir de 13 ou 14 anos de idade. O diálogo e o convívio harmônico e respeitoso com os adolescentes é vital para a prevenção, mas alguns sinais podem ajudar na possível identificação dos jovens que iniciam o uso de drogas e os pais precisam estar atentos.

1) Fisicamente, olhos vermelhos, pupilas dilatadas, alterações de peso e apetite, alterações do padrão de sono, nariz sangrando, manchas roxas de picada e coriza são importantes de serem observados;

2) Mudanças de humor como depressão, irritabilidade, ansiedade e agressividade devem também ser avaliadas, assim como perda do interesse em atividades esportivas, isolamento ou mudanças de grupos de convívio decorrentes de tais alterações;

3) Algumas drogas podem deixar odores estranhos nas roupas, na boca e os adolescentes podem usar perfumes ou outras substâncias para disfarçá-los ou escondê-los dos pais

4) Mudanças de comportamento ou de postura no convívio com familiares e amigos antigos com rupturas ou intransigências constantes. Geralmente, o rendimento escolar diminui bastante com relatos dos professores sobre notas baixas, desinteresse abrupto pelos estudos ou até atitudes opositivas e agressivas, com envolvimento em brigas ou atitudes delinquentes.

Essas dicas são apenas a ponta do iceberg do universo complexo das drogas. O mais importante é uma relação afetuosa, de confiança e respeito entre pais e filhos sempre calcada no diálogo e iniciada na infância. Mas, a negação pode ser deletéria porque cega os pais e o diagnóstico precoce por um especialista é fundamental para o sucesso do tratamento.

JOEL RENNÓ JR é Ph.D em Ciências, professor colaborador médico do Departamento de Psiquiatria da FMUSP e diretor do Programa de Saúde Mental da Mulher do Instituto de Psiquiatria da USP (IPq-USP). Também coordena a Comissão de Estudos e Pesquisa da Saúde Mental da Mulher da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) e é médico do Corpo Clínico do Hospital Israelita Albert Einstein em São Paulo.

Você pode se interessar também por:

3 comments

rosilda dias de aquino 18 de maio de 2015 - 17:01

boa tarde.ja a algum tempo fiquei sabendo do amor exigente.bem eu nao gostaria de ter chegado ao ponto de pedir esse tipo de ajuda mais preciso salvar meu filho.Henrique é meu filho ele tem 21 anos e usa maconha ja a muito tempoe vivo muito angustiada por isso nao sei o que fazer ,ele é um otimo filho mais infelizmente foi tragado por essa fraqueza.ele perdeu o pai aos 7 anos e de certa forma entrou em depressao, é um jovem trabalhador está sempre ao meu lado me ajuda muito financeiramente e tenho medo que essa situaçao se complique. ele tem muitos colegas que juntos usam drogas e nao sei até que ponto eles vao nao tenho mais controle.nao tenho condissoes financeiras pra pagar um tratamento pra elese puderem me ajude por favor.

rosilda dias de aquino 18 de maio de 2015 - 17:02

aguardo resposta.

Ronaldo Risseto 5 de junho de 2015 - 21:25

Seria legal vc entrar no http://www.amorexigente.org e clicar no botao LOCALIZE e procurar estado , cidade, bairro…. e encontrará alguma grupo perto de vc…se ainda assim nao conseguir…..ligue para 19. 32522630 e procure a Ana, que te ajudará

Leave a Comment

×