PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS: O PAPEL DA FAMÍLIA

by Jaqueline Costa

1) Evitar, dentro da família as chamadas adicções sociais, uso abusivo de bebidas alcoólicas, cigarro, medicações (pílulas para dormir ou emagrecer), intoxicação com o trabalho, comer demais, comprar demais, jogar demais, etc.

2)Apoiar e respeitar a individualidade, despertando no filho o senso crítico, a coerência.

3)Conhecer os amigos dos filhos e aproximá-los de sua casa, observando-os, assim como também procurar conhecer a família dos mesmos.

4)Não exigir da escola papéis que não lhe são pertinentes, mas sim procurar ter uma participação ativa junto à mesma.

5)Capacitá-los a resistir às pressões do grupo (amigos == família paralela).

6)Orientá-los para que procurem ajuda dentro da família, para resolução de seus problemas.

7)Atualizar-se sobre os fatores de risco presentes na sociedade, que afrontam os jovens, para saber orientá-los.

8)Procurar conhecer, para abordar com naturalidade, drogas, efeitos e consequências, sem assumir uma atitude de terror, assim como também orientá-los sobre os assuntos “tabus” como sexo.

9)Reavaliar os valores rígidos, muitas vezes presentes na família, em um dos pais ou ambos.

10)Evitar o autoritarismo como também o excesso de permissividade.

11)    Instituir o diálogo na família.

12)    Prevenir – valorizando uma vida saudável, ajudando-os a fortalecer-se para vencer as frustrações, enfatizando o amor à vida e elevando a auto-estima.

 O que é comum acontecer em muitas famílias:

 13)  Comportamentos compulsivos e abusivos (fumar, uso de bebida alcoólica, compulsividade para comer, comprar, intoxicação com o trabalho).

14)    Automedicação (consumo de medicações inserido no sistema de comunicação familiar: uso de pílulas para dormir, para emagrecer).

15)    Cegueira familiar (tempo de latência entre o início do uso de drogas,  a descoberta pela família e a busca de ajuda).

16)    Transgressões (em relação com a lei, com a justiça, atos fraudulentos, violentos, cometidos por membros da família).

17)    Mensagens duplas (os pais se contradizem entre o discurso e a prática).

18)    Impedimento ao crescimento do indivíduo, desrespeito à sua individuação.

19)    Tendência permissiva por parte de um dos pais ou ambos.

20)    Agressividade que pode levar os pais a serem temidos pelos filhos.

21)    Falta de diálogo.

22)    Falta de informação sobre drogas.

 Não se trata de culpar os pais, mas sim de alertá-los

sobre seus papéis e comportamentos inadequados.

Texto elaborado pela Psic. Rozinez Aparecida Lourenço (CFT-FEBRACT).

 Texto extraído da apostila da Apaex, produzida por Cláudio N. Lugo e Arlete C. Lugo

Você pode se interessar também por:

2 comments

Henrique Pina Amaral Junior 11 de maio de 2015 - 20:02

Gostaria de saber onde fica o grupo amorexigente no Rio de Janeiro.

Reply
Ronaldo Risseto 14 de maio de 2015 - 16:00

Estamos providenciando a resposta atraves da Ana
Grato

Reply

Leave a Comment

×