O AMOR FAZ GUERRA, O AMOR SALVA

by Thiago Biancheti

Quando pensamos em amor vem à mente o mais nobre e curativo dos sentimentos, mas há ainda o lado oculto desta emoção tão pura. Exaltação pela superioridade do seu time, do seu país, o apego a bens materiais embasado na dificuldade em ceder, compartilhar, dividir; ou até o excesso de zelo amoroso, que culmina em ciúme doentio, podendo levar a discórdias e disputas que nunca acabam.

Segundo os antigos filósofos e pensadores, o amor é classificado em tipos diversos, sendo eles: FILIA, STORGE, EROS e ÁGAPE que são assim definidos:

  • FILIA, caracteriza-se pela fraternidade, amizade, aceitação e admiração do outro pelo que ele é;
  • STORGE, é marcado pela ausência da necessidade de retorno às nossas próprias ações; é o amor familiar, especialmente entre pais e filhos;
  • EROS, remete ao desejo sexual, um presente de Deus para procriação;
  • ÁGAPE, é o amor puro, alicerçado na fé e não busca senão o bem do próximo; é um amor fonte de alegria, fonte de vida.

Nesta reflexão é necessário enfatizar que o amor não pode ser uma exploração mútua e não persistirá se for mantido com base em trocas, recompensas ou imposições. Da frieza de sentimentos e da indiferença nada resulta; fuga não atinge liberdade… É o oposto de alegria ou da felicidade.

Acredito que para obter uma experiência grandiosa, em qualquer área da vida, temos que superar o egoísmo e aproximar-nos verdadeiramente de Deus e dos irmãos. Só assim libertamo-nos de nós mesmos e alcançamos a realização máxima. O amor por um homem, por uma mulher, por uma criança, por um trabalho, ou pela arte supera qualquer coisa e faz desabrochar dentro de quem ama o que há de melhor, de mais próximo da perfeição.

Então não invejaremos a felicidade do outro; ao contrário, nos alegraremos ainda mais se pudermos compartilhar ou intensificar o bem. O amor existe, é real! Seguramente não é só coisa de novela ou de cinema.

Para mim o amor é um dom que recebemos da bondade de Deus. E exercer este dom é uma decisão pessoal que precisamos exercitar e renovar a cada dia.

O verdadeiro amor transcende nosso pequeno mundo individual, nos permite dizer sim ao outro, ao novo e enriquece-nos com coisas simples e duradouras.

Uma das lições que Cristo nos dá é a de que podemos tornar visível a beleza que existe em nosso interior e no outro por causa do amor. Um amor que confia no semelhante, cheio de gestos de bondade, de compreensão e gratuidade, é o amor que redime. O AMOR ÁGAPE!

Mas no Amor-Exigente, muitas vezes amar não é o bastante, devemos viver com respeito, sem egoísmo, sem comodismo e primeiro ensinar, mostrar, depois exigir!

No mês do Natal, a cada semana de dezembro, fica uma dica para meta pessoal: cultive o amor!


Por Dona Mara Menezes, Cofundadora do Amor-Exigente – edição n° 195 da REVISTAE – Dezembro/2015.

Você pode se interessar também por:

Leave a Comment